Número de contas correntes quase dobra com digitalização

PUBLICIDADE

A facilidade de abertura de conta digital, aliada às restrições de liquidez devido à pandemia de coronavírus, fez com que o número de contas correntes por cliente no Brasil quase dobrasse a partir de 2020. Hoje, em média, empresas e consumidores têm 4,25 contas ativas cada. Antes da infecção se espalhar pelo país, o total era de 2,67, de acordo com os números de março de 2020 do banco central. Esse número cresceu um pouco desde 2018 – refletindo a aprovação da abertura remota de conta (possibilidade que foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional em abril de 2016) e a entrada dos bancos digitais no mercado. As estatísticas acima levam em consideração o número de relacionamentos reportados ao BC por cada instituição financeira. Cada CPF ou CNPJ pode ter mais de um relacionamento – é importante lembrar que tradicionalmente as empresas têm mais contas correntes do que consumidores.

 

Na prática, especialistas orientam cautela com as contas digitais. Lorena Farias, planejadora financeira com certificação CFP da Planejar, assinala que ter mais de uma conta corrente não é eficaz em um cenário em que poucos brasileiros têm o domínio de como controlar as suas finanças. A recomendação é ter no máximo duas contas de relacionamento. Uma pode ser utilizada para investimentos e outra para o consumidor concentrar as operações do dia a dia (pagamentos, transferências, débito automático).

Excesso de oferta de crédito

Do lado do crédito, o risco é muito maior. A taxa Selic está em 11,75% ao ano e em trajetória de alta. Por ser a taxa básica da economia, essa elevação se reflete em todas as linhas de crédito. O nível de endividamento em novembro de 2021 (dado mais recente do BC) era de 51,9%. Isso significa dizer que as dívidas representam 51,9% da renda acumulada em 12 meses.

A planejadora financeira também recomenda cautela no número de cartões de crédito, que em sua opinião deveriam ser limitados a dois.

Já na avaliação de Luciana Godoy, presidente da Superdigital Brasil, o maior risco de ter múltiplas contas é o cliente não conseguir se organizar da forma mais adequada. No caso da Superdigital, não há o risco de endividamento, já que a conta é apenas para pagamentos e o cartão ofertado é pré-pago.

PUBLICIDADE